Qual é o seu propósito de vida? Você conhece o seu Ikigai?

Por Marcelo Simonato

A teoria dos processos tem como proposta trazer a reflexão dos ciclos que vivenciamos em nossa vida e carreira. Será que não é tempo de rever a nossa situação atual e dar um novo rumo a nossa vida? Acompanhe…

William Shakespeare dizia: “o propósito da vida está em descobrir o seu presente, tudo está dentro de você e depois como você pode utilizar essas descobertas.” E é justamente sobre isso que vamos falar neste conteúdo.

Atuando com treinamentos e palestras dentro de diversas organizações, posso identificar, sem muito esforço, profissionais e líderes que “entraram de gaiato no navio”, ou, em outras palavras, “caíram de paraquedas” em suas funções e até mesmo em suas ocupações. Profissionais competentes, mas que não estão no controle de suas carreiras, pois agem como verdadeiros telespectadores. Estão no piloto automático.

Sim, eles buscam crescimento, procuram se desenvolver como profissionais e líderes, são participantes assíduos de métodos que agregam valores à carreira, entretanto, metade deles sequer conhece o seu Ikigai. O conceito de Ikigai (missão de vida) surgiu num povoado das ilhas do sul, no Japão. Após observar uma população de moradores centenários bem acima da expectativa de vida média para os padrões orientais, o autor do livro Ikigai, Ken Mogi, pôs-se a tentar descobrir o que trazia tanta longevidade e êxito àqueles moradores.

A descoberta foi surpreendente. Ele percebeu que quanto mais as pessoas daquele vilarejo identificavam quais eram suas missões de vida (Ikigai), mais elas viviam. Por isso, elas tinham prazer em tudo o que realizavam e, consequentemente, levavam uma vida feliz e bem-sucedida em todos os âmbitos, inclusive na longevidade. Encontrar a sua missão de vida tem ligação direta com a vitalidade, trata-se da alegria e satisfação em ter algo para fazer, de estar sempre ocupado em funções que destaquem suas competências e habilidades.

Para Ken Mogi, a ideia de sucesso e realização profissional tem como pano de fundo encontrar/exercer algo que dê sentido a sua vida, e realizar a descoberta com motivação. Mogi ainda acrescenta: “em geral, somos tão obcecados com o sucesso e grandes metas, que acabamos vivendo como se nunca tivéssemos existido.” Forte, não é mesmo?

Buda também foi um precursor dessa filosofia, ao dizer: Os homens perdem a saúde para juntar dinheiro, depois perdem o dinheiro para recuperar a saúde. E, por pensarem ansiosamente no futuro, esquecem do presente de forma que acabam por não viver nem no presente nem no futuro. Vivem como se nunca fossem morrer, e morrem como se nunca tivessem vivido.

Verdadeiramente, não sabemos qual é o nosso Ikigai. Submetemo-nos a funções que não são compatíveis ao nosso perfil predominante, somente para enriquecer. Aceitamos liderar equipes que não condizem com as nossas competências. Como líderes, impomos a nossa opinião e fazemos valê-la a qualquer custo. Ou seja, está tudo uma desordem. Buda diria que está um caos!

O grande psicólogo americano, Howard Gardner, autor da Teoria da inteligência múltipla, disse: Para se obter a plena realização, precisamos unir a inteligência emocional com a inteligência mental, conhecida também como QI (quociente de inteligência).

Ou seja, precisamos ter sensatez para saber aceitar ou renunciar uma função, cargo e até mesmo uma liderança que não condiz com o nosso Ikigai, a fim de não cairmos no erro de gastarmos a nossa saúde em busca de riquezas, e depois nossas riquezas, para ter de volta a saúde. Com a finalidade de não desperdiçarmos o nosso presente com a ansiedade do futuro nem o futuro com saudosismo do passado.

Você não pode ser um líder ou profissional “que entrou de gaiato no navio”. Tenha plena convicção de qual é a sua missão de vida dentro da organização em que atua, dentro do segmento que escolheu e, principalmente, dentro da carreira que exerce. Você precisa juntar a sua inteligência emocional à intelectual, e descobrir qual a melhor maneira de enriquecer e sobressair em sua carreira, praticando o seu ikigai ao mesmo tempo.

A teoria dos processos tem como proposta trazer à consciência o que o atrai e o faz feliz em sua carreira. Levando em conta que existem ciclos, e talvez este seja o momento de rever o seu. Talvez você esteja em um patamar alto para voltar atrás em suas escolhas, mas o fato é que, sem alegria em sua missão de vida e nos seus objetivos, não há vitalidade, longevidade e muito menos produtividade em longo prazo.

Será que não está na hora de rever suas funções e se reinventar em sua atuação? Será que vale a pena brigar tanto para manter um cargo que você nem curte? Será que aquele concorrente não teria mais competência e habilidade para liderar determinada equipe do que você? Será que não está na hora de repensar suas escolhas e encontrar o seu ikigai, para executar com efetividade o seu dom e talento?

O segredo do êxito e longevidade está em encontrar aquilo que o faz feliz. Você diria que já encontrou essa carreira ou atividade que o anima? O seu propósito de vida?

Pense nisso! Até a próxima.

Marcelo Simonato

Marcelo Simonato

Graduado em administração de empresas pela Universidade Paulista. Pós-graduado em finanças empresariais pela Fundação Getulio Vargas (FGV) e MBA em gestão empresarial pela La Salle University, na Philadelphia – EUA. Possui mais de 20 anos de experiência profissional atuando em grandes empresas nacionais e multinacionais, em cargos de liderança. Ao longo de sua carreira, já realizou diversos treinamentos nas áreas de liderança e comportamento humano. É executivo, escritor e palestrante, atua com treinamentos e palestras em todo o território nacional. Tem como propósito levar conhecimento e informação de qualidade, com base em sua experiência profissional e acadêmica, deixando uma marca de motivação e transformação por onde passa.


Ronnie Martyns

Escrevo sobre a vida, curiosidades, entre outros assuntos.Amante de história, livros e séries.Fã da web.Também sou apaixonado por tecnologia e compartilho em palavras tudo que me fascina.
error: Content is protected !!
%d blogueiros gostam disto: