Segundo o Instituto Nacional do Câncer José Alencar Gomes da Silva – INCA (2016), o câncer de próstata é o segundo tumor mais freqüente entre os homens”

Além de comemorarmos o Dia Internacional do Homem, no dia 19 de Novembro, também temos a Campanha Novembro Azul em ênfase durante todo o mês. Essa campanha visa chamar a atenção dos homens para o diagnóstico precoce do câncer de próstata para aumentar a chance de cura da doença. Como muitos homens não fazem o exame para detectar alterações na próstata, o câncer é mais difícil de ser descoberto nas fases iniciais, diminuindo as chances de cura.

Fazer o exame de toque já é um tabu entre os homens, quando uma doença crônica, como o câncer, é descoberta pode mexer ainda mais com o imaginário masculino, trazendo problemas sérios de depressão, ansiedade, tristeza profunda e medo. O medo não é caracterizado apenas pela morte, mas sim pelas limitações físicas que os tratamentos, quase sempre, acarretam como a diminuição da capacidade de ereção, cansaço e até mesmo a retirada dos testículos, atingindo a essência da masculinidade.

A doença física interfere no estado psicológico da pessoa, principalmente em doenças mais complexas como o câncer, por esse motivo, a mente precisa estar sã para que o tratamento seja o menos doloroso possível. O apoio de familiares e de profissionais é essencial para ajudar nessa batalha.

 “Hoje em dia o homem está mais receptivo para aceitar tratamentos, exames e falar pouco mais abertamente sobre a sexualidade. Mas, ainda não é tarefa fácil para os analistas conseguirem manter a saúde mental do paciente em perfeito estado de aceitação e entendimento da doença. Isso pode ser atribuído à cultura em que vivemos e o papel que o homem desempenha na sociedade, na visão que ele precisa ser provedor e viril”, afirma a psicanalista e coordenadora da Escola de Psicanálise, Débora Damasceno.

Durante o tratamento é importante que o profissional e paciente discutam sobre virilidade e masculinidade para que os pensamentos possam ir além da concepção familiar e social e o paciente possa se redescobrir nesse novo contexto.

Por conta dos avanços tecnológicos e novas descobertas que são aplicadas nos tratamentos, a chance de cura tem se tornado cada vez maior. O que antes era uma ‘sentença de morte’, hoje pode ser encarado como uma dura batalha, mas com grandes chances de vitória nessa guerra da vida. Entretanto, mesmo após a notícia da cura, é imprescindível que o acompanhamento com um profissional continue, pois a pessoa precisa aprender a realidade atual e até mesmo como conviver com possíveis seqüelas e mudanças físicas que acompanham todo o processo.

 “Depois do tratamento vem a vida e suas angústias. É um mecanismo normal da nossa mente construir como medos futuros situações dolorosas do passado. O papel da Psicanálise nesse momento é restabelecer a percepção temporal junto com o reconhecimento da própria capacidade de suporte e superação tanto da doença quanto de condições insatisfatórias de vida cotidiana. ”, conclui Débora Damasceno.

Quer compartilhar fatos e dicas? Envie  para o e-mail: [email protected]

Comentários:

Comentar

Deixe uma resposta

error: Content is protected !!
WhatsApp chat
%d blogueiros gostam disto: