* por Rodrigo Ferrarese

A primeira coisa a ser feita ao descobrir que tem HPV é ficar tranquila. Veja aqui por que não se desesperar e o que fazer após o diagnóstico

O HPV é a sigla para papiloma vírus humano (em inglês, Human PapillomaVirus) e trata-se de um vírus super comum. Calcula-se que aproximadamente de 80% a 90% da população mundial tenha o vírus ou já tenha tido contato com ele.

Quando as pacientes descobrem que têm HPV, no entanto, costumam ficar desesperadas e muito assustadas. Alguns fatores explicam essa reação. O primeiro é que as informações sobre o HPV não são muito difundidas. Mesmo com tantos casos e sendo tão comum, trata-se ainda de um diagnóstico um tanto quanto desconhecido. O segundo motivo é que muita gente ainda faz confusão entre HPV e HIV (sigla em inglês para vírus da imunodeficiência humana). Assim, ao descobrirem que têm HPV as pacientes se desesperam fazendo essa associação – mas um vírus não tem nada a ver com o outro.

O HPV é um vírus transmitido via relação sexual. “Ah, Doutor, mas só via sexual mesmo?”. Sim, quando falamos em região genital o contágio é via sexual.

E não adianta só usar preservativo. Escuto de muitas pacientes: “mas usei camisinha, como isso pode ter acontecido?”. Pois é importante lembrar que a camisinha encapa apenas o pênis. Caso o parceiro tenha alguma lesão no pênis aí sim o preservativo impedirá a transmissão. O problema é que a lesão pode estar na virilha ou na bolsa escrotal. A mulher, por sua vez, pode ter a lesão na vulva, uma área que também fica desprotegida durante a relação, mesmo com a camisinha.

Vale ressaltar, também, que a transmissão não é feita apenas quando o parceiro ou a parceira tem verruga. Ela pode ocorrer mesmo quando a pessoa é assintomática, sendo muitas vezes um contágio silencioso.

A diferença entre ter o vírus e ter uma lesão causada pelo HPV

Outro ponto importante que deve ser explicado: existe uma diferença entre ter o vírus do HPV e ter uma doença causada pelo vírus do HPV.

O HPV é um vírus que, como disse, a pessoa pode ter e nem saber, ou seja, é algo com que podemos conviver sem grandes consequências. Em um menor número de pessoas, no entanto, o HPV pode causar alguma lesão. Essas lesões podem ser de alto risco ou de baixo risco.

As lesões de baixo risco são as verrugas. É claro que elas são feias e esquisitas e podem aparecer em qualquer parte da região genital, mas elas não são malignas. A longo prazo, por volta de 8 a 10 anos, pode ser que tenhamos uma malignização das verrugas, mas isso é algo difícil de acontecer.

As lesões de alto grau, por sua vez, são as lesões encontradas no colo do útero. São aquelas que as pacientes não enxergam e que, se não tratadas, a longo prazo podem virar câncer de colo do útero. E quando falo em longo prazo é isso que quero dizer: você não passa a ter câncer da noite para o dia.

Por que você não deve se desesperar

Assim, se em algum momento você descobrir que tem HPV não se desespere. O mais importante a ser feito é o quê você já deve fazer desde sempre: um acompanhamento cuidadoso com o seu ginecologista, que indicará e explicará tudo que você deve fazer para ficar bem.

E se você não tem HPV, lembre-se de manter em dia exames como o papanicolau e suas consultas ginecológicas. Além disso, pergunte ao seu médico sobre a vacina contra o HPV e se ela é recomendada para você.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.